Pregação – Razões para agradecer | 1 Coríntios 1.4-9

Já virou moda nos dias atuais a palavra “gratidão”. As pessoas agradecem aos outros quando recebem benefícios. Por exemplo, quando alguém faz uma postagem no Youtube com algum vídeo que ajude as pessoas a se organizarem melhor ou a lidarem com situações da vida profissional ou pessoal, que se leia nos comentários “fulano, gratidão”.

Também tem pessoas que apenas falam de “gratidão” sem ter um alvo. Gratidão ao universo, gratidão a vida, gratidão pela gratidão. Neste grupo sequer de fala sobre Deus, mas de gratidão apenas como um sentimento. Nada mais claro do que o pecado humano do orgulho que quer fazer o politicamente correto e ganhar aplausos dos outros, além de sentir alguma paz temporária, mas não quer reconhecer a ação de Deus sobre sua vida.

Não era diferente nos tempos em que a carta aos coríntios foi escrita pelo apóstolo Paulo. Embora o leitor atual não perceba, mas Paulo começa sua carta de uma maneira diferente da usual para o padrão de uma correspondência greco-romana. Quem escrevia naquela época costumava iniciar agradecendo por sua própria boa sorte, falando, por exemplo, que a viagem realizada foi bem sucedida. Ou então o autor escrevia elogiando os remetentes de sua carta.

Paulo, entretanto, não fala nem de si e nem dos corintos: ele expressa gratidão a Deus por sua obra na igreja. Não é mera educação com Deus, mas o reconhecimento da presença evidente no meio dos irmãos.

Sem dúvida, há muitos motivos para as igrejas agradecerem a Deus e podemos ver como este texto nos leva a refletir acerca da obra de Deus sobre a igreja:

DESENVOLVIMENTO

“…enriquecidos nele” – os coríntios viviam em meio a uma economia muito próspera, mas, Paulo usou a ideia de “riqueza” para falar das promessas que recebemos em Cristo. Faz todo o sentido, uma vez que não temos mérito nenhum para merecemos alguma coisa de Deus, a não ser a justa condenação dos nossos pecados. Apesar disso, o que recebemos foi salvação, pela graça, por meio da fé.

Quando não entendemos a riqueza do Evangelho, passamos a ser muito emocionais, e pior: começamos a buscar a Deus e a fé para satisfazer nossos desejos. Mas, quando a mente é transformada e entendemos o que é o Evangelho, as escamas caem dos olhos. Estamos falando de um Deus que nos justificou com um amor imerecido e não correspondido. A Bíblia diz que éramos inimigos de Deus antes da salvação, mas, ainda assim, ele amou inimigos e morreu por eles, com um amor não correspondido. Isso é amar.

“…o testemunho de Cristo tem sido confirmado em vocês” – Em Cristo, Paulo está dizendo que os corintos não são inferiores e nem incapazes de alcançar os planos de Deus e nem inferior a ninguém e nem a qualquer outra igreja, pois, tudo o que as igrejas e discípulos conseguem na vida espiritual é em virtude de estarem em Cristo, unidos a Ele na salvação e eternamente. Pode agradecer.

“…Ele também os confirmará até o fim” – uma afirmação carregada de muita ousadia – fé -, para uma comunidade tão influenciada pela cultura do pecado, ao ponto de Paulo os ver naquele dia como irrepreensíveis! Protegidos de qualquer acusação final. Isto de fato é graça, acima de qualquer prazer e prosperidade desta terra. Que os malditos que pregam a teologia da prosperidade e se agarram a ela fiquem com a tal, pois em nada o dinheiro pode nos mudar e transformar para sermos irrepreensíveis no dia do juízo – somente o sangue do Cordeiro. Dinheiro para viver, como fruto do trabalho abençoado por Deus, para manter nossa casa, família, estrutura de vida, a obra de Deus, é totalmente bíblico: Deus abençoa o trabalho. Mas a ganância que vemos hoje não é o alvo do Evangelho.

Aliás, quando falamos de dízimos e ofertas é importante entender que eu dizimo como gratidão a Deus, reconhecendo que é Ele que nos dá forças para trabalhar e viver, devolvendo a Ele uma parte para manter a igreja, a obra de Deus, na confiança de que Deus me abençoará mais do que eu dei, é uma promessa.

Não dizimamos com ganância de receber mais. Dizimamos por amor, com alegria por poder participar da manutenção da igreja, da obra de Deus, todos os membros têm essa responsabilidade e compromisso – e Deus já tratou nosso coração para isso, para manter a obra dEle. Depois deste amor, alegria e gratidão, confio que todas as minhas necessidades serão supridas e que Deus me dará ainda mais do que preciso. Que aquilo que ficou comigo, renderá muito mais do que se eu retivesse a oferta para Deus. No Novo Testamento, inclusive, devemos ofertar com liberalidade, alegria, sabendo que Deus fará o melhor com aquilo que oferto.

“…chamados à comunhão de seu Filho Jesus Cristo, nosso Senhor” – reforçando, fomos CHAMADOS por Deus. No meio de uma multidão de pecadores que iriam para o inferno você foi chamado. Chamado para quê? Para comunhão com Seu Filho, para viver na luz, para crescer na fé, para aprender e conhecer mais a Deus. Para viver para Ele, ocupando-se com coisas úteis conforme a Sua Palavra, como a fé, a família, o casamento, a criação dos filhos, o trabalho feito para a glória dEle, o serviço cristão e para desfrutar do fruto do seu trabalho com aqueles que você ama. Mas, perceba, que não há espaço para o pecado, para a fofoca, para a vida desregrada, para os pensamentos inúteis e fúteis, para a ociosidade, para a ocupação do tempo para os planos maus.

O cristão precisa pensar em ter uma vida útil, e não fútil e nem inútil. Útil nas áreas ensinadas pela Palavra: fé, família, trabalho, serviço cristão, lazer santo e não profano, amor, perdão, esperança, esforço, estudo, comunhão… Para isso você foi chamado. Comunhão com Cristo é viver para Ele e conforme Ele. Você não foi chamado para inventar um modo cristão de viver, pelo amor de Deus! Era isso que os coríntios, e o pecado do coração deles, queria. É isso que muitas vezes a igreja quer, é isso que muitos pseudopastores ensinam, com preguiça de orar e estudar a Bíblia para pregarem! E por ganância querem dinheiro. Graças a Deus que numa igreja batista temos uma diretoria eleita para cuidar das ofertas, com relatórios, assembleias, atas e prestação de contas, conselho fiscal e contabilidade – tudo limpo e transparente, não definido pelo pastor, mas por um orçamento aprovado em assembleia. Como num condomínio! Você tem toda tranquilidade para ofertar, sabendo que de fato Deus receberá a oferta e será usada para a obra dEle.

“…Fiel é Deus…” – a fidelidade divina não aponta para nossos méritos. De fato, nós não merecemos nada de Deus. Entretanto, apesar disso, o que vemos é que com amor e graça Ele nos chama sem exigir que fizéssemos algo para merecer o direito a Seus benefícios. A fidelidade dEle, portanto, está, mais uma vez – e sempre -, na Sua própria aliança que Ele estabelece com o homem. A Lei do AT já mostrou que não adianta exigir nada de nós, ninguém conseguiu fazer o que precisava para merecer o comunhão com Deus. A Lei foi dada precisamente para mostrar o estado espiritual do homem: ele não consegue cumprir a lei, estávamos todos nós mortos e condenados. Deus exerce misericórdia e assim muitos serão salvos. E você foi chamado para isso, você foi arrebatado do fogo. Por isso tanta gratidão de Paulo a Deus. Isso é graça. Você não tem nenhum pedacinho de mérito na salvação, até a fé que você tem em Jesus foi dada por Deus. Entender que você é pecador não vem de você, vem do Espírito Santo de Deus. Você foi salvo. Não tinha como ser pela lei, somente através do novo nascimento, a nova e eterna aliança.

E a promessa de Deus é imutável, permaneceremos salvos: Ele manterá firme aqueles que chamou, Ele concederá graça necessária para para o cumprimento deste chamado, trabalhando sempre para que vivamos sendo transformados a imagem de Seu Filho, até a nossa morte. Depois, seremos ressuscitados impecáveis em plena pureza e glória para vivermos eternamente com o Senhor no céu. São dessas verdades que os cristãos devem se alimentar, é isso que você tem que ouvir na igreja, alimentar-se de Jesus; para isso foram chamados; Jesus não morreu na cruz para nos dar um Honda Civic. Ele pode abençoar, mas isso não é o Evangelho e o propósito da fé!

O v. 2 diz: “à igreja de Deus que está em Corinto, aos santificados em Cristo Jesus, chamados para ser santos, com todos os que em todos os lugares invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso”

Você é santo separado para Deus, consagrado. Não são os pastores somente que são consagrados a Deus. Todos os membros da igreja o são. Separados para Ele. O pastor é consagrado ou ordenado para o serviço pastoral, mas todos foram dedicados ao Senhor. Todos recebem um dom, mas, devemos exercer com gratidão e não buscando a própria glória, como faziam os coríntios. Por isso a maturidade é mais importante para tratar do que os dons.

O chamado é para lhe separar do mundo para Deus. Deus agiu para separar você. Jesus morreu na cruz e Ele lhe chamou, executando planos de antes da fundação do mundo. E você vai reagir como? Você pertence a Deus para ser transformado. A grandeza da igreja não depende de nós, mas da capacitação divina, por meio da transformação operada pelo meio da graça: a Palavra, o Verbo divino.

Eu não estou aqui para falar novidades para vocês, mas para alimentar a fé do coração do rebanho de Jesus Cristo, com a mesma Verdade e sempre. Aprofunde-se e deixe-se transformar, ceda para a Verdade, vença você mesmo – melhor: coloque o seu “Eu” na cruz. Você tem que se aprofundar e aceitar isso. Não tentar coisas novas, diferentes, novidades, pulando daqui para ali. Mas, deve ouvir a voz do Senhor que diz:

Portanto, deixando toda impureza e acúmulo de maldade, acolham com mansidão a palavra implantada em vocês, a qual é poderosa para salvá-los.

Tiago 1: 21

Nós precisamos nos aproximar da Palavra de Deus com humildade, ela é poderosa, eficaz. Um versículo pode mudar sua vida toda. Mas, somente a ouvindo pouco há pouco, e sempre, é que nosso coração duro pode ser mudado, nossa mente pode ser transformada a fim de confiarmos definitivamente em Deus e seguir com a fé do nosso coração, alimentada pela Verdade. E essa é a minha função como pastor: servir você neste alvo.

CONCLUSÃO

Mas, pastor, é sério esse negócio de ser santo. Eu? Bom… estamos falando de uma carta que originalmente foi escrita para os corintios, cheios de pecado e cercados por um mundo mau e pecador! Essa Palavra de Deus é para nós hoje!

Você foi chamado para isso. A santidade é a forma de Deus mostrar neste mundo a presença de Jesus através da igreja, enquanto esperamos a Sua volta. Aqueles que chamam Jesus de Senhor serão irrepreensíveis no dia do julgamento, os que vivem pela fé porque a nutrem, a alimentam. Não queira uma palavra mágica que mude a sua vida de modo instantâneo, uma pregação que resolva seu problemas. Construa um relacionamento sólido e profundo com Deus, para isso você foi chamado. Um relacionamento que está sempre crescendo, que sempre será mais profundo e mais fiel hoje do que foi ontem.

Agradeça a Deus, pois Ele permitiu essa Nova Vida pela graça. Agradeça a Pessoa certa: Deus. Todos podem fazer isso tendo Deus como Criador. Mas, você, tendo-o como Salvador e Senhor. Amém.

2 comentários em “Pregação – Razões para agradecer | 1 Coríntios 1.4-9

  1. Estou dando os primeiros passos com o blog cristianismo sem fake, quero muito estabelecer uma conexão com o senhor e aprender um pouco mais.
    Segue meu whatsapp (21) 96476-1991, será muito prazeroso manter contato e aprender sobre essa arte de publicar a palavra de Deus na rede!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close